eu não programei te responder hoje, no seu aniversário, confesso, mas ontem quando eu percebi que era dia 13 resolvi esperar. eu amo aniversário e amo ainda mais os aniversários de quem eu amo.

tem duas coisas que eu sempre lembro quando penso em você: de como eu sempre-sempre-sempre me sinto menos sozinha quando você está (mesmo longe) e da gente no cefet. lembra? uma amizade inteira construída em cima de ‘ninguém entende nada, só a gente’. adolescer é foda.

toda vez que eu falo de você pras pessoas eu digo ‘o matheus é meu melhor amigo e a pessoa mais inteligente do mundo’. eu não lembro nunca de ter te contado alguma coisa que você não soubesse (mas te apresentei pixies e te convenci a ler henry miller). você diz que eu sou gigante e que o mundo todo cresce perto de mim, mas não fosse você eu nunca teria escrito. meu primeiro blog? só existiu porque você fez e porque você lia. e porque eu queria escrever que nem você escreve. só existe o postal service porque eu queria ter um projeto com você e eu só consigo manter porque é escrever pra você. 

toda vez que eu achei que os meu caras eram mais legais que eu, você me disse que não eram, todas as vezes que eu achei que não ia dar conta e você disse que eu ia. na namíbia? eu, em pânico, mandando mensagem, morrendo de medo de capotar no deserto e você ‘só homem bate de carro, não vai dar nada. certeza’. comprou todas as minhas brigas, todas-todas, desde sempre. eu tenho muitas poucas lembranças na vida onde você não está, mesmo que longe, você sempre está. 

foi você que me disse que eu era uma solteira monogâmica e que eu ‘pulo da janela das certezas todos os dias’, eu nunca tinha reparado haha. é assustador como você me conhece.

te amo. e amo como você, em silêncio, sabe tudo sobre tudo. eu amo o seu jeito de olhar pro mundo e me sinto fodona porque você me ama também – se você, que é a pessoa mais inteligente do mundo, me ama é porque eu sou massa, né? eu amo como você tá virando um homem melhor e de como eu quase esqueço que você é homem – e esse é o meu melhor elogio.

vou desejar que você se mude pra cá, que você pule da janela das certezas, que você se encontre todo dia (e que isso te faça menos sozinho, assim como você faz comigo), que você acredite que você é foda – assim você acredita que eu sou. que você saiba que você não vai capotar de carro. pode dirigir.

que você não tenha medo da sua imensidão. 

é um privilégio dividir o espaço-tempo com você. promete que você vai ser só feliz? 

Deixe uma resposta