Eu pedi pra começar com as cartas porque eu tinha um monte de coisa pra te contar e é muito louco, mas eu falo melhor com você quando escrevo. Vai ver é porque a gente morou mais tempo longe um do outro do que perto, mas vai ver é porque você é o melhor leitor que eu conheço. É bom escrever pra você.

Bom, a vida anda bem, muito bem, tão bem que dá medo. Há muito tempo eu não tava tão bem. Cê sabe, eu sumi, eu só sumo quando tá tudo ótimo, hahaha, que amiga escrota, puta merda. A minha sensação é que os últimos anos foram muito intensos: em 4 anos eu engravidei, tive filho, virei consultora de estilo, mudei de casa 2 vezes, separei, me apaixonei, vi um namorado quase morrer muitas vezes, desapaixonei, me apaixonei, desapaixonei e me apaixonei de novo. E to apaixonada. Tem um cara, mas tem a minha vida. Putz, tá muito massa ser eu, fi-nal-men-te. Não ta intenso, não ta pesado, tá leve. Eu, que nunca gostei de fácil, mas to apaixonada pelo fácil. Eu só quero fácil. Não bobo, não besta, mas fácil. E leve. E sem drama. E sem perfeição porque eu gosto de emoção, ce sabe.  Mas não to merdeira, sabia? Passou hahaha To maneira, to sendo maneira comigo. To olhando mais pro que é importante pra mim. To deixando pra andar na beirada do precipício e “pulando da janela”, como diz você, no trabalho.

Aliás, eu preciso te contar sobre minha ideia de mestrado. Sim, ainda isso, sempre isso. Mas tive uma ideia tão boa! Tenho uma amiga incrível, que estuda woody allen. Estamos planejando um curso sobre Annie Hall e moda e to muitoooo afim de seguir nesse caminho aí no mestrado: cinema, moda e gênero. Como as mulheres e o arquétipos estão na roupa no cinema. Vem fazer meu curso? Quero que você faça pra opinar depois hahaha. Te conto quando tiver data, mas vai rolar.

Queria que a gente lesse alguma coisa ao mesmo tempo. O ultimo foi meia noite e vinte, né? Ridículo. Sugere um livro aí? Não li ainda o “Clube dos Jardineiros sem Fumaça”, ce já? Podia ser esse, né? Le Som e Fúria peloamordedeus, eu não quero mais viver se você não falar desse livro comigo.

E sobre loja de camiseta, quando vc vier pra Annie Hall, te levo no new division, não tem nenhum outro lugar pra gente amar se não lá.

Ahhhh tenho outra coisa muito incrível pra contar. To indo pra Africa em julho, não sei o país ainda, mas a Maria tá indo fazer uma road trip por lá e eu vou passar 10 dias com ela em algum pedaço da viagem. Só consigo pensar em te levar (porque eu te amo? Sim, porque queria fotos incríveis, hahahaha).

Amo você e você nunca me fotografou.

Lilian vai falar com você esses dias pra atualizar o midia kit, confio mais em vocês que em mim. Me vendam, fazfavô, mas me vende bonito. 😉

Beijo! <3

2 thoughts on “sobre leveza e annie hall

  1. Li a resposta antes da pergunta –‘
    Entendi a história de assistir (Suits?) de novo [o que você não quis falar na Live pra não miar antes de começar; bom acho que era disso né?].
    Um dia na aula de estilo arquitetônico voltei nas casas de desenho da infância e fiquei pensando se alguém me deixaria estudar isso: arquitetura das casas de desenho animado; aí valeria falar de estilo, qual papel a casa exerce o porque aquele personagem tem aquela casa. Nem sei porque falei disso.
    Essa coisa de ser quase-amiga virtualmente tá sendo bem interessante, tipo, ruim e bom e distante porém perto; mas ruim porque ainda acho que eu estou aproveitando mais do que você ! Então vê se me aproveita, também (como? não sei também… se descobrir só falar).

Deixe uma resposta